Os Embaixadores do Narcosul

Essa semana o jornal Extra do Rio de Janeiro publicou uma série de reportagens sobre as redes de narcotráfico no Brasil, intitulada “Os Embaixadores do Narcosul: os traficantes que operam o maior bloco de drogas do mundo”, que se baseia em seis meses de investigação jornalística.

A primeira reportagem da série afirma que os traficantes da Bolívia, Brasil, Paraguai e Peru constituíram, nos últimos 14 anos, a mais poderosa e coesa aliança para a exportação de drogas no mundo, capaz de movimentar R$ 21 bilhões por ano e empregar 30 mil pessoas. O link mostra detalhes de como o jornal chegou às estimativas de movimentação financeira.

Cada país tem um papel central no chamado Narcosul. Peru e Bolívia são os dois maiores produtores mundiais de cocaína, pasta base e outros derivados da folha de coca. O Paraguai lidera o cultivo de maconha na região. O Brasil é ao mesmo tempo o segundo no ranking mundial de consumo de cocaína e derivados e o principal entreposto para a Europa e a África. Mas, segundo o Extra, todos eles compartilham os três elementos essenciais que permitem a operação da rede de drogas:corrupção de agentes públicos, a ausência do Estado nas fronteiras e a falta de cooperação efetiva entre os sistemas judiciais.

Figura 1 – As Rotas do Narcosul

A série de reportagens mostra um ponto muito interessante. Pelo menos três dos sete traficantes apontados como os embaixadores do crime na América do Sul exercem esse poder apesar de estarem presos. O traficante Pavão, preso na capital do Paraguai, opera sua rede de tráfico através de sua cela, que mais parece um gabinete equipado com computadores e televisão. Marcola, o, atual chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC), controla de dentro do presídio paulista de Presidente Prudente a única facção brasileira que tem atuação nacional e atividades em expansão nos países vizinhos.

O estudo “A Hole at the Center of the State: Prison Gangs and the Limits of Punitive Power”, de Benjamim Lessing, professor da Universidade de Chicago, mostra que esse excesso de poderes dentro das prisões não é um fenômeno único do Brasil e do Paraguai.  Há exemplos de facções organizadas de dentro de prisões e que comandam redes criminosas também nos Estados Unidos e na América Central. Lessing defende que o fortalecimento dessas facções que operam nas prisões ocorreu em conjunto com o aumento da população prisional desses países e apresenta um argumento para essa correlação: o aumento da probabilidade de ser preso torna mais importante para um criminoso se associar a uma facção, dado que as facções costumam oferecer proteção dentro das prisões.

A tese de Lessing e o exemplo de Marcola e Pavão mostram que combater o tráfico deixou de ser apenas uma questão de prender traficantes. Enquanto prisão não significar a incapacitação desses criminosos, não há como esperar que a polícia reduza o poder do tráfico.

Reportagens relacionadas:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s